Domingo, 27 de Setembro de 2020 19:10
112825-4686 Whatsapp
Política ELEIÇÕES

Eleição na Grande São Paulo testará antigos adversários

As disputas na Grande São Paulo também prometem trazer de volta a polarização entre tucanos e petistas, que buscam recuperar o terreno perdido em 2016

19/07/2020 18h27
108
Por: Redação Fonte: Notícias ao Minuto
Foto: Reprodução/SPJ
Foto: Reprodução/SPJ

 

As eleições municipais na região metropolitana de São Paulo devem ser marcadas pelo teste de resistência do PSDB diante de ex-prefeitos e políticos já conhecidos pelo eleitorado, uma estratégia comum dos partidos que ganha força num cenário ainda mais desfavorável para a renovação política.

 

As disputas na Grande São Paulo também prometem trazer de volta a polarização entre tucanos e petistas, que buscam recuperar o terreno perdido em 2016.

 

Naquele ano, o do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o PT perdeu metade das prefeituras que comandava, algumas delas no ABC, onde, pela primeira vez desde a sua fundação, o partido não elegeu nenhum prefeito.

 

A região metropolitana de São Paulo é formada por 39 municípios, em um total de 21,14 milhões de habitantes, sendo 56% deles na capital, segundo dados da fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados). O PSDB administra hoje dez dessas cidades, entre as quais São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo e Mogi das Cruzes.

 

O coordenador do PT na região do ABC, Brás Marinho, diz que em 2016 houve um "baque muito grande", mas que a sigla conseguiu se recuperar na região em 2018 e reeleger os deputados estaduais (Teonilio Barba e Luiz Fernando) e o deputado federal Vicentinho.

 

Para o pleito remarcado para 15 de novembro, ele diz que as maiores chances para o PT no Grande ABC estão nas cidades de São Bernardo do Campo, Mauá e Diadema. O partido também tem pré-candidatos em Santo André e em São Caetano do Sul.

 

No início de julho, numa videoconferência que reuniu a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, o ex-presidente Lula e o ex-prefeito Fernando Haddad, o partido referendou o presidente estadual da sigla, Luiz Marinho, como pré-candidato à Prefeitura de São Bernardo do Campo, com 812 mil habitantes e comandada por ele por dois mandatos, de 2009 a 2016.

 

Em 2018, Marinho disputou o Governo de São Paulo –ficou em 4º lugar no estado, com 13% dos votos. Até o momento, ele tem como candidato a prefeito o apoio de PDT, Solidariedade, PL, PC do B e PTB, além do próprio Lula, que vive na cidade e, segundo a sigla, se disponibilizou a colaborar com seu ex-ministro na campanha.

 

A estratégia da campanha, segundo a sigla, será comparar a gestão petista com a do atual prefeito, Orlando Morando (PSDB), que segue com Marcelo Lima (PSD) como vice e tem o apoio do MDB, partido com pouca força no ABC, mas que trabalha para recuperar espaço e eleger a maioria dos prefeitos da região num prazo de dez anos.

 

Em Santo André, com quase 694 mil habitantes, nomes como a vereadora Bete Siraque (PT), o ex-vereador Ailton Lima (PSB) e o empresário da área de eventos Wagner Grillo (MDB) entram em cena para tentar frear a reeleição do tucano Paulo Serra.

 

Para seguir no cargo, o prefeito já soma o apoio de dez partidos de diferentes espectros ideológicos, como PDT e PSL. A antiga sigla do presidente Jair Bolsonaro tem como estratégia lançar o maior número de candidatos e terá nomes, por exemplo, em São Bernardo e em São Caetano do Sul.

 

Em São Caetano, com 151 mil habitantes e a maior renda per capita do estado, segundo dados do Censo de 2010 do IBGE, o prefeito José Auricchio Júnior (PSDB) tem apoio de PL, Cidadania e Podemos para tentar se reeleger.

 

O tucano chegou a ter o mandato cassado pela Justiça Eleitoral por captação e gastos ilícitos na campanha eleitoral. Em março, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo rejeitou os últimos recursos da defesa de Auricchio, mas suspendeu os efeitos da cassação até que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) se manifeste sobre o caso, dando sobrevida ao tucano.

 

Segundo o advogado com especialização em direito eleitoral Amilton Augusto, apenas se a suspensão for derrubada é que Auricchio corre o risco de ser barrado com base na Lei da Ficha Limpa. Caso isso aconteça após eleição, se reeleito, Auricchio pode ter que deixar o cargo. O PSDB não cogita outra candidatura.

 

O principal rival do tucano deve ser o ex-vereador e pré-candidato Fabio Palacio (PSD), que tem o apoio do ex-prefeito da cidade Paulo Pinheiro (DEM). Ambos disputaram as eleições em 2016, com Pinheiro terminando em segundo lugar, e Palacio, em terceiro.

 

Em Guarulhos, segunda maior cidade do estado, com 1,351 milhão de habitantes, o PSDB trabalha para chegar à prefeitura com a pré-candidata Fran Corrêa, empresária e esposa do deputado federal Eli Corrêa Filho (DEM), segundo lugar no pleito de 2016.

 

A cidade é administrada por Gustavo Henrique Costa, conhecido como Guti, do PSD, que até o momento soma o apoio de oito legendas, da esquerda à direita. Para a legenda, um dos adversários com mais peso na disputa deve ser o petista e ex-prefeito Elói Pietá.

 

O candidato do PT governou a cidade de 2001 a 2008. Na eleição passada, não chegou ao segundo turno, terminando como terceiro mais votado, o que interrompeu um ciclo de 16 anos do PT na cidade.

 

Já em Mogi das Cruzes, com cerca de 433 mil habitantes, a continuidade de um mesmo grupo político no paço municipal tem sido uma característica há pelo menos duas décadas. A cidade é conhecida por ser o reduto político do ex-deputado e condenado no mensalão Valdemar Costa Neto, que exerce forte influência no local e comanda nacionalmente o PL.

 

A oposição tenta romper o ciclo apostando em nomes do Legislativo, mas o principal rival do prefeito tucano Marcus Mello na busca pela reeleição, caso confirme a candidatura, é o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD), ex-prefeito da cidade por dois mandatos e de quem Mello é sucessor.

 

Os dois políticos romperam a partir de um embate sobre aumento do IPTU. Bertaiolli disse à reportagem que deve definir até a primeira quinzena se entrará na disputa. O PL, que faz parte da base de Mello, promete apoiá-lo se isso acontecer.

 

Caso contrário, o deputado diz que deve se envolver pessoalmente para que um dos vereadores do partido chegue à prefeitura ou, numa terceira hipótese, apoiar um candidato de outro partido contra o ex-aliado.

 

A favor de Mello e dos outros tucanos na região estará o governador João Doria, que, segundo o presidente do PSDB no estado, Marco Vinholi, deve se empenhar para que o partido consiga reeleger seus prefeitos e conquistar mais espaço.

Bastidores da Política
Sobre Bastidores da Política
Tudo sobre política.
Sobre o município
São Paulo - SP
Atualizado às 18h55 - Fonte: Climatempo
32°
Alguma nebulosidade

Mín. 19° Máx. 34°

30° Sensação
13 km/h Vento
23% Umidade do ar
90% (4mm) Chance de chuva
Amanhã (28/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 19° Máx. 35°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Terça (29/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 24°

Sol com muitas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias